“Só querem trabalhar apenas na moleza”, diz médico após denúncia de cirurgiã do HRG - Atitude Tocantins
 “Só querem trabalhar apenas na moleza”, diz médico após denúncia de cirurgiã do HRG
Destaques Estado Notícias Saúde

 “Só querem trabalhar apenas na moleza”, diz médico após denúncia de cirurgiã do HRG

A denúncia da cirurgiã, Drª Yoshana Neves sobre fila de espera das cirurgias eletivas, sacudiu as estruturas da conduta moral e ética médica de alguns profissionais do Hospital Regional de Gurupi. “Não são todos os cirurgiões, apenas quatro que querem dar plantão em casa dormindo”, denunciou o médico Dr. Macêdo.  

por Wesley Silas

A fala do clínico geral, Dr. Macêdo, acontece horas após denúncia de colega, Drª Yoshana Neves sobre supostas paralisações de cirurgias eletivas, àquelas que acontecem em situação em que o hospital e paciente conseguem marcar a melhor data, por não se tratar de emergência ou urgência.

“O princípio do Hospital de Gurupi é atender as urgências e emergências. Para você ter uma ideia num domingo recente, quando eu dei plantão, o Dr. Reuler teve que sair da casa dele para vir a noite para o hospital, enquanto eu tive que sair do Pronto Socorro para operar um paciente de urgência que levou uma facada em Peixe porque não tinha cirurgião de plantão para atender as emergências. Como é que o direção do hospital vai colocar plantonistas para fazer cirurgias eletivas? As urgências o paciente morre, caso não opere. Agora, o cara (cirurgião) é contratado para atender no hospital de Gurupi as urgências e emergências, enquanto as cirurgias eletivas existem os mutirões e acontecem quando tem cirurgião sobrando”, disse Dr. Macêdo.

“O que acontece é que eles não querem trabalhar no Pronto Socorro e só querem trabalhar apenas na moleza”, completou.

Ele citou um caso em que o médico cirurgião Dr. Reuler estava de plantão no Samu e teve que trocar com o plantonista do Hospital Regional de Gurupi, Dr. Melquiades para evitar a morte de um paciente.  

“Olha, a geometria que nós fizemos!. Dr. Reuler estava de plantão no Samu e o Dr. Melquiades estava de plantão no Regional e o Dr. Melquiades teve que ir para o Samu no lugar do Dr. Reuler para ele ir para o Hospital Regional porque não tinha cirurgião de plantão. Como é que não tem cirurgião para urgência e emergia e querem reclamar de cirurgia eletiva?”, questionou o médico.

Ele relatou ainda que há alguns dias um paciente em situação de emergência deixou de ser atendido  devido a médica cirurgiã estar atendendo uma cirurgia eletiva.

“Ela estava na cirurgia eletiva quando chegou um paciente na emergência no Hospital e quem estava no plantão era o Dr. Arimatéia, meu irmão, e ele pediu para ela ir para o Centro Cirúrgico para operar o paciente. Sabe o que ela disse? Que mandasse para Palmas que ela não estava de plantão”, denunciou o médico.

Plantão enquanto dormem em casa

Outra denúncia grava do médico foi em relação a médico cirurgiões que recebem pelo plantão, enquanto “dormem em suas residências”.

“Não são todos os cirurgiões, apenas quatro que querem dar plantão em casa dormindo e teve um caso de uma mulher que morreu, enquanto ela ficava em seu casa mandando a mulher (paciente) tomar remédio por telefone”, denunciou o médico. “Não estão pronto para atender urgência e emergência, enquanto estão prontos para fazer cirurgia eletiva para receber extra”, completou.

Plantões sem cirurgias

Conforme Dr. Macêdo, há houve médico cirurgião que teria recebido 20 plantões, enquanto fez apenas 07 cirurgia no mesmo período.

“Foi isso que eu já denunciei na televisão da máfia da cirurgia e não são todos, pois têm cirurgiões que trabalham e são sérios e os malandros são quatro ou cinco. É muito bacana largar a urgência e emergência para fazer cirurgias eletivas que são chamadas  filés e mandar pacientes para Palmas devido a falta de cirurgião em Gurupi”, concluiu.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.