Justiça determina soltura de investigado de homicídio de mulher em Peixe - Atitude Tocantins
Justiça determina soltura de investigado de homicídio de mulher em Peixe
Destaques Notícias Polícia

Justiça determina soltura de investigado de homicídio de mulher em Peixe

Justiça determina soltura de investigado de homicídio de mulher em Peixe
1 (20%) 1 vote

A juíza de Direito, Ana Paula Araújo Aires Toríbio, da 1ª Escrivania Criminal de Peixe, considerou o álibi acatou o pedido de relaxamento imediato da prisão em flagrante de Marciley Lopes de Araújo, 41, depois de ser  acusado de ter assassinato Jaqueline Rodrigues na manhã da última quinta-feira (05) no estabelecimento comercial em que trabalhava em Peixe, enquanto ele confirmou que estava em Gurupi no momento do crime. “Eu só não tive a minha vida ceifada, porque teve um julgamento e os presos me deram 15 dais para eu provar a minha inocência”, disse Marciley Lopes sobre ameaças de facção criminosa dentro da CPP de Gurupi. 

por Wesley Silas

Na decisão, a magistrada reconheceu a ilegalidade da prisão em flagrante delito, apresentada pelo advogado criminalista, Jomar Pinho de Ribamar.

“Verifico que a ilegalidade da prisão arguida pelo requerente ficou realmente demonstrada, a teor das declarações de dois comerciantes que afirmam que o requerente esteve no primeiro estabelecimento comercial à 8h30 min e no segundo 11h30min, das imagens de câmeras, comprovante de pagamento realizado com cartão referente à transação comercial realizada 8h30min corroborando a declaração do comerciante, tudo comprovando o álibi no sentido de que o requerente não estava na cidade de Peixe na data e horário do crime”, apontou a magistrada ao determinar o imediato relaxamento de prisão cautelar do investigado Marciley Lopes de Araújo.

Em entrevista ao Portal Atitude, Marciley Lopes, lamentou o ocorrido e defendeu que a justiça seja feita e que não conhecia a  Jaqueline Rodrigues.

“Quero que tenha justiça com a vida desta moça que perdeu e o criminoso venha a pagar pelo que fez porque foi um crime muito bárbaro e eu fico muito triste com que aconteceu com a moça”, disse Marciley Lopes de Araújo.

Ele informou ainda que por pouco não teve a sua vida ceifada dentro da CPP de Gurupi.

“Eu só não tive a minha vida ceifada, porque teve um julgamento e os presos me deram 15 dais para eu provar a minha inocência”, disse.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *