Tribunal de Justiça revoga mandado de prisão contra presidente da ATS por falta de água em Pium - Atitude Tocantins
Tribunal de Justiça revoga mandado de prisão contra presidente da ATS por falta de água em Pium
Destaques Estado Notícias

Tribunal de Justiça revoga mandado de prisão contra presidente da ATS por falta de água em Pium

A desembargadora Maysa Vendramini Rosal suspendeu a ordem de prisão. Segundo ela, foi “decretada a prisão em flagrante do paciente [Fernandes] por autoridade eminentemente incompetente”.

Por: Redação

A 1ª Vara Cível da Justiça de Pium determinou no último dia 9 a prisão do Presidente da Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), Eder Fernandes, por desobediência judicial. Entretanto, nesta quarta-feira (15) a desembargadora do Tribunal de Justiça, Maysa Vendramini Rosal, revogou a decisão.

O pedido de prisão foi feito pela Defensoria Pública do Estado. Segundo o órgão, o presidente da ATS ignorou por duas vezes a determinação da Justiça para resolver a falta de água de Pium. Edinho Fernandes não chegou a ser preso. 

“Quero compartilhar a minha alegria de não passar pelo constrangimento e vergonha de ser preso. Não cabe isso a uma pessoa séria, pai de família trabalhador, cumpridor dos seus deveres como é o meu caso. Vou continuar trabalhando e dando meu melhor. Isso não vai me abalar e com fé em Deus eu vou voltar a cidade de Pium com a certeza de que todas as residências tem água sobrando na casa. Confio no meu trabalho, na minha equipe e nosso Governador Marcelo Miranda, nosso principal aliado e quem eu sigo muito”, afirmou Edinho em mensagem a amigos. 

“Quero compartilhar a minha alegria de não passar pelo constrangimento e vergonha de ser preso”, disse Edinho

A Justiça já havia decidido, ainda em 2016, que a ATS tomasse providências para investimentos na região a fim de regularizar a situação de falta de água, o que não foi cumprido. Na decisão, expedida no último dia 9, o magistrado explica que os documentos apresentados pela ATS são do Projeto de Desenvolvimento da Região Sudoeste do Estado do Tocantins (Prodoeste), que “não é um projeto de obra de engenharia voltado para a solução do problema de abastecimento de água da população, mas sim de um projeto de irrigação a ser efetuado pela Secretaria da Agricultura”.

O magistrado explica, ainda, que não foi demonstrado de que forma o Prodoeste poderia solucionar o problema de abastecimento de água em Pium: “(…) não constam laudos e pareceres técnicos ou qualquer justificativa apontando a relação entre esse projeto e a solução do objeto da demanda”, destaca.

De acordo com a defensora pública Alana Menezes, que representa a DPE na ação, outras determinações não foram cumpridas, como a disponibilização de uma linha telefônica exclusiva para atendimento aos moradores de Pium e, ainda, a comprovação da existência de projetos ou cronograma de execução de obras a fim de solucionar o problema. “Em razão desse descumprimento, a Defensoria pediu que fossem agravadas as sanções, inclusive com aumento de multa, e o magistrado concedeu esse pedido, reforçando também o pedido do Ministério Público Estadual para que o gestor fosse preso em caso de descumprimento, o que o magistrado também atendeu”, disse a Defensora.

Prisão revogada 
A desembargadora Maysa Vendramini Rosal suspendeu a ordem de prisão. Segundo ela, foi “decretada a prisão em flagrante do paciente [Fernandes] por autoridade eminentemente incompetente”. Para Rosal, o juiz deveria ter informado o Ministério Público Estadual sobre o crime de desobediência denunciado pela Defensoria, já que à Promotoria “incumbe o manejo da ação penal”. “Assim, entendo que, em casos como o dos autos, o gestor público que cometa crime de desobediência, poderá o Magistrado informar ao Ministério Público o delito praticado para que este tome as providências legais”, afirmou a magistrada.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *