Procurador de Justiça tocantinense critica alto valor pagos aos membro do MPE - Atitude Tocantins
Procurador de Justiça tocantinense critica alto valor pagos aos membro do MPE
Destaques Estado Notícias

Procurador de Justiça tocantinense critica alto valor pagos aos membro do MPE

Procurador de Justiça tocantinense critica alto valor pagos aos membro do MPE
Avalie esse post

Ao contrário do procurador de Justiça Leonardo Azeredo dos Santos, do Ministério Público de Minas Gerais, que pediu criatividade para melhorar o salário “mizerê” de R$ 24 mil, o procurador de Justiça, Ricardo Vicente da Silva, em reunião do Conselho Superior do Ministério Público do Tocantins, jogou na mesa os altos valores pagos aos 113 membros (Promotores e Procuradores), somando R$ 204 milhões do ano de 2004 para 2019.

por Wesley Silas

Na reunião do Conselho Superior do Ministério Público do Tocantins, ocorrida na quarta-feira, 11, o procurador de Justiça, Ricardo Vicente da Silva, criticou altos valores pagos para os 113 membros do ministério Público (Promotores e Procuradores) do Tocantins.

“Eu quero lembrar aos membros desta corte que desde 2004 até os dias de hoje já foram pagos R$ 205 milhões, pagos administrativamente, para os membros (Promotores e Procuradores). Para menos de 120 pessoas foram pagos realinhamentos, URV, diferença de anuênio e incentivo funcional. Eu pergunto: Não dá para pagar um mês de férias indenizadas para os servidores?”, questionou o procurador.

O procurador de Justiça, Ricardo Vicente, tentou mostrar aos seus colega que a carreira no ministério público deveria ser sacerdócio com desapego ao dinheiro

A fala do procurador aconteceu depois do chefe do Ministério Público ter colocado em votação e ter ficado decidido que os servidores receberiam, pelo menos, um mês de férias; mas, para surpresa os servidores deixaram de receber, para que os membros (Procuradores e Promotores) recebessem.

“Por isso é difícil o entendimento, ‘abre aspas’, vamos economizar até mesmo no cafezinho, no copo descartável, no telefone, na energia. Vamos economizar para quê? Para juntar este bolo de R$ 205 milhões e repartirmos entre nós membros do ministério Público?”, disse o  procurador de Justiça, Ricardo Vicente, aos seus colegas que além dos salários desfrutam durante o ano de dois meses de férias por ano e 18 dias de recessos e, quando fica de plantão no sábado e domingo pode gozar mais uns 90 dias de férias.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *