Preservação garante água em fazenda no município de Formoso - Atitude Tocantins
Preservação garante água em fazenda no município de Formoso
Agronegócio Destaques Estado Meio Ambiente Notícias

Preservação garante água em fazenda no município de Formoso

A falta de chuva não afetou as águas da fazenda Piau Caro um importante afluente do Rio Formoso. “Formoso ainda tem muita água”, ironiza o fazendeiro em vídeo gravado no último dia 03.

por Wesley Silas


O proprietário da Fazenda Piau Caro, localizada a 40 km de Formoso do Araguaia, sentido a cidade de Sandolândia, preservou a vegetação nativa e mesmo com a falta de chuva não sofre com a crise hídrica em um dos afluentes do Rio Formoso. “Formosão está bom de água aqui para cima. Não tem bomba para tirar água aqui não”, diz o fazendeiro no vídeo.

Ao contrário do que tem acontecido nos rios Formoso, Urubu, Dueré, Pedra e Xavante, que possui grandes atividades de irrigação, no entorno da nascente do rio que brota na Fazenda Piau Caro possui uma mata nativa intocada de aproximadamente 200 alqueires, o que mantém fartura na vazão da água.

Em uma série de reportagens sobre a seca no Estado de Goiás, o jornal O Popular denuncia as licenças autorização da água (outorgas) acima do limite e contribuiu com a gravidade de degradação dos rios. A mesma reportagem apontou uma pesquisa mostrando que o volume de água retirada de água dos rios de Goiás excedeu em 31,1% a capacidade real do rio.

“Há um erro no processo de outorga, que é calculado com base em uma média histórica que já não reflete a situação do rio”, disse ao O Popular o mestre em engenharia ambiental e professor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás), Anselmo Claudino. A referência usada para calcular a vazão é estabelecida pela Agência Nacional das Água (ANA) em planos de recursos hídricos de 2013 e, pelo cálculo do professor, seria insuficiente para atender a demanda de uso de água autorizada hoje.

No Tocantins, a escassez hídrica obrigou por meio de um portaria o Naturatins a suspender em agosto a captação de água em rios Formoso, Urubu, Dueré, Pedra e Xavante pelo período de 120 dias. Em fevereiro deste ano o Instituto de Atenção às Cidades, ligado à Universidade Federal do Tocantins (UFT), com apoio da Associação dos Produtores Rurais do Sudoeste do Tocantins (APROEST) e pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), começaram um projeto para controlar da vazão das bombas do Rio Formoso. 

Imagem do Rio Formoso registrada no dia 15 de agosto por um leitor do Portal Atitude

 

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.