Pesquisa mostra que os três poderes esbanjam recursos público em momento de crise - Atitude Tocantins
Pesquisa mostra que os três poderes esbanjam recursos público em momento de crise
Brasil Destaques Notícias

Pesquisa mostra que os três poderes esbanjam recursos público em momento de crise

Pesquisa mostra que os três poderes esbanjam recursos público em momento de crise
Avalie esse post

Um cruzamento de informações feito pelo jornal Correio Braziliense mostra que os poderes Executivo, Legislativo e  Judiciário esbanja recursos públicos no momento em que as famílias brasileiras vivem um cenário de aperto geral.


O jornal cita também um levantamento feito pela OnG Contas Abertas sobre o custo do Parlamento brasileiro que saiu por um custo de R$ 1 milhão por hora.

“A fatura não envolve apenas os gastos de deputados e senadores com as verbas de gabinete e benefícios de passagens aéreas. Um legislativo funcionando é sinal de vitalidade da democracia, não há dúvida. É bom não esquecer, contudo, que essa conta envolve os dias de recesso parlamentar e as segundas e sextas, quando deputados e senadores abandonam Brasília para cuidar das próprias bases eleitorais”.

Já o preço da Justiça brasileira é também muito salgado no bolso do contribuinte, onde os magistrados continuam recebendo seus vencimentos acima do teto constitucional de R$ 33,7 mil.

A Justiça brasileira custou R$ 175 bilhões ao contribuinte no ano passado, quase 270% a mais que em 2015. O dinheiro veio de empenhos do Ministério do Planejamento, e, segundo o Conselho Federal de Justiça (CNJ), responsável por fiscalizar o Poder Judiciário, todo o gasto é praticamente com o salário dos servidores”, relata a matéria assinada por 07 jornalistas.

O Palácio do Planalto deu as costas para a crise concedendo vários reajustes ao funcionalismo na tentativa de seduzir sindicatos e servidores, desconfiados com a abrupta interrupção do governo Dilma Rousseff.

“Eles pediram e levaram aumentos de salários que custarão mais de R$ 100 bilhões entre 2016 e 2019. E mais está por vir: o carreirão, que fechou acordo para reajuste de 10,8% em dois anos, quer equiparação com a elite do funcionalismo, cujo aumento em quatro anos chegou a 27,8%. Essa nova fatura, se aceita pelo governo, pode somar R$ 16 bilhões. Confira, a partir de hoje, série de reportagens do Correio que mostra as prioridades que o Estado dá ao dinheiro público”, conclui a reportagem.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *