Palestra sobre Reforma Trabalhista da FIETO reúne empresários de Gurupi para debater nova legislação - Atitude Tocantins
Palestra sobre Reforma Trabalhista da FIETO reúne empresários de Gurupi para debater nova legislação
Cidades Destaques Gurupi (TO) Notícias

Palestra sobre Reforma Trabalhista da FIETO reúne empresários de Gurupi para debater nova legislação

Avalie esse post

Evento em Gurupi encerrou programação já realizada em Palmas e Araguaína para atualizar comunidade sobre mudanças aprovadas com a modernização das leis trabalhistas. “O Brasil precisa de segurança jurídica e previsibilidade para assegurar investimentos”, disse o  advogado trabalhista coautor da Reforma, Eduardo Pastore.

Por Priscila Cavalcante


A noite desta quarta-feira, 06/12, foi de muita informação para centenas de empresários, profissionais de gestão de pessoas, conselheiros do Sistema Indústria e trabalhadores que participaram da palestra “Reforma Trabalhista: o que muda?”, realizada pela Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (FIETO) no auditório da UnirG em Gurupi. O evento finaliza a rodada de palestras sobre a modernização das leis trabalhistas iniciada em Palmas e em Araguaína no mês de novembro para a disseminação das mudanças trazidas pela Lei nº 13.467 de 2017, vigente desde o último dia 11/11.

Foto: Adilvan Nogueira

Para falar sobre o tema, a FIETO trouxe o advogado trabalhista coautor da Reforma, Eduardo Pastore. Um dos pontos fortes da nova legislação, segundo o palestrante, são as novas possibilidades de negociações entre empregador e empregado. Outra questão é a geração de emprego que a segurança jurídica proporcionada pela nova lei pode gerar e a consequente atração de investimentos e mais empregos. “O Brasil precisa de segurança jurídica e previsibilidade para assegurar investimentos”, disse.

O vice-presidente da FIETO, empresário Carlos Suzana, destacou a expectativa de todo o segmento industrial de que a Justiça Trabalhista, munida de uma legislação forte e moderna, tenha condições de realizar seu trabalho tirando-a do papel para a prática. Citou ainda exemplos de prejuízos à competitividade e à atração de investimentos para o país em decorrência da antiga legislação que não acompanhou as mudanças nas relações de trabalho.

“Grandes grupos como o Citibank, presente em 160 países, deixaram de atuar no varejo no Brasil e o encerramento dessa operação é atribuída ao grande número de litígios trabalhistas no Brasil que representava 93% do total do grupo, contrastando com uma representação de receita de apenas 1%”, disse Suzana.

Em sua abordagem, Pastore considerou que as mudanças na lei foram ousadas tocando em vários pontos que são dogmas no direito do trabalho. Segundo ele, o direito do trabalho é fenômeno socioeconômico e não só social. O advogado avaliou que “para os direitos do trabalhador existirem na CLT e na prática é preciso que alguém pague por eles”.

“E se você não tiver o capital que pague pelos direitos do trabalho ele só vai existir na constituição. Uma das grandes virtudes desta lei é que ela traz essa percepção socioeconômica dos direitos do trabalho que deve proteger estes dois agentes: o trabalhador e o capital, pois as pessoas querem que exista emprego sem empresa e não existe isso”, analisou.

Prestigiaram a palestra o secretário municipal de Gurupi, Tom Lira, empresários Oswaldo Stival, presidente do Sindicarnes/TO e vice-presidente da FIETO, o empresário e conselheiro do Sistema FIETO, Mário Pilar, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Gurupi, Adailton Fonseca e o representante da Unirg, Victor de Oliveira.

Conheça algumas mudanças na lei apresentadas pelo palestrante:

Trabalhador Hipersuficiente

Como era: Não estava presente no ordenamento jurídico brasileiro

Como ficou: Permite a livre negociação entre empregados e empregadores, desde que este empregado seja portador de diploma de nível superior e que perceba salário mensal igual ou superior a 2 vezes o limite máximo do Regime Geral da Previdência Social (RGPS). Observação: só pode negociar os direitos contidos no artigo 611 desta lei.

Rescisão do contrato de trabalho de comum acordo

Como era:  Não havia previsão legal deste tipo de modalidade de rescisão de trabalho.

Como ficou: Empregados e empregadores podem, de comum acordo, estabelecerem o término do contrato de relação de trabalho. Neste caso são devidas a seguintes verbas:

I – metade do aviso prévio indenizado;

II – metade da indenização sobre o saldo do FGT(art. 484-A, CLT;art.20, inciso I-A da Lei n.8.036/90)

Teletrabalho

Como era: Não havia lei trabalhista regulando

Como ficou: Aquele prestado fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação. Não há controle de frequência. Acordo individual. Deve constar do contrato de trabalho os meios telemáticos fornecidos pelo empregador (art.62, II, 75-A e 75-E).

Tempo à disposição do empregador

Como era: A CLT dispunha que o tempo que o empregado ficava à disposição do seu empregador, aguardando ordens, trabalhando ou não, deveria ser remunerado.

Como ficou: O art. 4º da Lei 13.467/17 dispõe que não se considera mais tempo à disposição do empregador, além da jornada normal, mesmo que empregado aguarde ordens.

 

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *