OPINIÃO | Quando Deus definitivamente não intervém - Atitude Tocantins
OPINIÃO | Quando Deus definitivamente não intervém
Notícias Opnião

OPINIÃO | Quando Deus definitivamente não intervém

(João Gomes da Silva) O amor como atributo divino nem sempre pode satisfazer os humanos nas suas formas apequenadas de pensar e querer. Primeiro, porque quando o amor é exercido na sua máxima expressão não manipula nem é manipulável. Não joga com interesses mesquinhos e horroriza a mediocridade.

No texto bíblico (I João 4: 8 b), está escrito que Deus é amor. Ora, se Deus é amor, logo não pode odiar, pois se assim o fizesse estaria manchando a sua essência que é contrária ao ódio. Entretanto,  a religião encarregou-se de construir a imagem de um Deus que odeia seus inimigos humanos, praticando contra eles verdadeiros massacres em detrimento de grupos ditos privilegiados.

Essa ideia do Deus vingativo proporcionou à religião o equivocado convencimento de poder praticar todas as maldades conhecidas (além de outras  que continuam desconhecidas), e tudo em nome de Deus e com a sua suposta aprovação. Então, diante desse ponto de vista, pode-se dizer que Deus não é amor, pois o amor não exclui,  nem seleciona privilegiado.

Se Deus é amor não pode atrair a obediência de suas criaturas pela conveniência atrativa da compensação, pois o amor não pode ser recompensado pelo jogo de interesses materialistas. Mas a religião construiu esse caminho equivocado, onde os transeuntes oram em gritos e lágrimas a um deus compensador e imediatista. Compensador financeiro, sentimental, que força as convivências mesmo contra a vontade do “outro” e move o braço antes paralisado, quando alguém bombardeia o céu com orações e oferendas.

Já foi dito que a forma mais cruel de se subjugar uma pessoa é exercendo poder sobre ela a partir de suas necessidades essência. Ora, se isso é repugnante aos humanos, imaginem em relação a Deus. Se Deus é amor ele não pode,  de jeito nenhum,  desfrutar da minha aceitação e serviço pela dominação. O amor não domina nem submete ninguém à subserviência.

"O amor como atributo divino nem sempre pode satisfazer os humanos nas suas formas apequenadas de pensar e querer.",  João Gomes da Silva
“O amor como atributo divino nem sempre pode satisfazer os humanos nas suas formas apequenadas de pensar e querer.”, João Gomes da Silva

Por derradeiro, se Deus é amor como creio que é,  suas intervenções na vida humana ocorrem não por interesse conveniente, mas pelas nossas necessidades, sem esperar de nós compensações matérias, pois o amor só é compensado pelo amor. “A ninguém devais coisa alguma a não ser o amor”, afirmou o Apóstolo Paulo.  Quem segue a Jesus rumo ao calvário leva consigo a cruz, o silencio e a ausência de interesses mesquinhos, pois ao pé da cruz não há intervenção.

Convém lembrar o que Jesus disse na cruz, antes departir para um plano superior: – “Deus meu, Deus meu! Por que me desamparastes? Tendo depois alcançado a glorificação e todo o poder nos céus e na terra. Pois é ali, e depois dali, que o amor se manifesta na sua mais alta expressão.

——————————————————————————————

João Gomes da Silva é escritor e teólogo, presidente da Igreja Betesda de Gurupi e titular da Academia Gurupiense de  Letras. E-mail: [email protected]

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.