Opinião | Carnaval de Gurupi do Bar Boa Sorte, ao circuito de Rua - Atitude Tocantins
Opinião | Carnaval de Gurupi do Bar Boa Sorte, ao circuito de Rua
Notícias Opnião

Opinião | Carnaval de Gurupi do Bar Boa Sorte, ao circuito de Rua

Opinião | Carnaval de Gurupi do Bar Boa Sorte, ao circuito de Rua
Avalie esse post

O carnaval de Gurupi tinha como principal atração os desfiles das escolas de sambas, com a sua rivalidade, ali os integrantes das escolas com suas alegorias, batucadas e fantasias faziam o espetáculo e o povo aplaudia; mas, nos anos dourados de 80, movido por uma juventude revoltada com o regime da época “Ditadura Militar”, que vinha fazendo arrastão e contrariando valores, quebrando tradição, e com o surgimento do Trio Elétrico “Albatroz” genuinamente gurupiense, e sua guitarra baiana fazendo zoar no ouvido das pessoas, Gurupi muda completamente o estilo “carioca” de fazer carnaval com as belas escolas de samba, e embarca no ritmo da Bahia de Morais Moreira”, Jonas Barros.

por Jonas Barros


O carnaval de Gurupi a maior festa popular da Região Norte do Brasil, tudo começou na década de 60, com os blocos “Baé” e “Mandarinos da China”, no Bar Boa Sorte. Com o surgimento do Clube Recreativo Araguaia, mais blocos, e, não demora muito surge as Escolas de Sambas  “Os Metralhas” e “Os Espantalhos”, onde faziam apresentação desfilando no sábado de carnaval na Avenida Goiás no centro da cidade, ali se forma um grande corredor polonês de pessoas para ver a sua escola passar, era uma rivalidade que parecia um FlaFlu em tarde de domingo no Maracanã.

Naquela época surgiu também alguns blocos de sustentação as escolas de sambas, daí surgiu “Os Pifados”, esse bloco que tinha como destaque um jeep que transportava o sanfoneiro, o zabumbeiro e um tocador de triangulo, passavam o dia nas ruas de bar espalhando alegria.

O CRA Clube recreativo Araguaia era o espaço onde os carnavalescos se encontravam para se divertir a noite inteira até o sol raiar.

Escola de Samba Os Metralhas na década de 70.

O carnaval de Gurupi tinha como principal atração os desfiles das escolas de sambas, com a sua rivalidade, ali os integrantes das escolas com suas alegorias, batucadas e fantasias faziam o espetáculo e o povo aplaudia; mas, nos anos dourados de 80, movido por uma juventude revoltada com o regime da época “Ditadura Militar”, que vinha fazendo arrastão e contrariando valores, quebrando tradição, e com o surgimento do Trio Elétrico “Albatroz” genuinamente gurupiense, e sua guitarra baiana fazendo zoar no ouvido das pessoas, Gurupi muda completamente o estilo “carioca” de fazer carnaval com as belas escolas de samba, e embarca no ritmo da Bahia de Morais Moreira, seguido por vários blocos entre eles o lendário, “O Pessoal do Aló”, que com muita irreverência na tarde de domingo de carnaval deixa todos brancos com a poeira da maisena espalhada no trajeto do trio.

Jovens divertem no carnaval de Gurupi na década dos anos 80. (Foto Álbum de Família).

Com isso o carnaval que tinha a tradição no salão passa e ter com pista para a folia a Avenida Goiás, as pessoas que antes só assistia os desfiles passou a ser um pé de samba, daí juntou todo mundo numa só festa, o preto, o branco, o homem a mulher, o jovem o idoso,  o empresário, o estudante, o rico o pobre, o patrão e o empregado. Gurupi tem a juventude mais bonita e alegre do Estado, e  com o surgimento das instituições de terceiro grau fortaleceu ainda mais o carnaval da “terra da amizade” logo surgiu os grandes blocos carnavalescos que ajudam divulgar a festa e promover atração de foliões, os turistas e visitantes, assim o carnaval de Gurupi passou a ser conhecido nos vários cantos do país.

Bloco Os Pifados encontra com o bloco Os Metralhas no carnaval de 2014. Na ocasião teve a presença de ex-foliões do bloco Eternamente .

A prefeitura vinha fazendo o seu papel, mas na era Laurez Moreira a festa  incrementou ainda mais, Laurez faz os investimentos necessários para festa ocupar o lugar de destaque como a maior festa popular da Região Norte do Brasil, faz contração de bandas nacionais sem esquecer as locais.

Circuito da folia permanece na Avenida Pará em frente ao Centro Administrativo da UnirG

Laurez atendeu ainda o clamor dos empresários tirando o circuito da Avenida Goiás e levando para Avenida Pará em frente Centro Administrativo da Universidade Unirg, ampliou se também a rede hoteleira, em fim o carnaval de Gurupi e uma grande festa onde quem não se diverte ganha dinheiro na realização do evento, muita gente trabalhando a cada ano na realização da festa, vai do ambulante ao maior empresário todos ganham, a prefeitura envolve todos os órgãos que vai do atendimento a saúde a limpeza de ruas. Não podemos deixar de observar os trabalhos das policias que garantem a segurança das pessoas e harmonia da cidade. Todo esse trabalho tem como responsável pela organização a secretaria de Cultura do município.

O cineasta gurupiense Hélio de Brito que produziu o documentário “Gurupi Or Not Gurupi”, nos anos 80, sucesso absoluto, agora 33 anos depois ele vai produzir o a segundo documentário.

Título: “Gurupi Or Not Gurupi – 2016”.

Documentário de 25 minutos, para Televisão e Internet.

SINOPSE: A História do Carnaval de Gurupi, de Nego Baé aos dias atuais, passando por todos os Blocos e Escolas de Samba do passado, pelo Bar Boa Sorte e pelo Clube Recreativo Araguaia, contada pelos principais expoentes dessa tradição gurupiense.

Roteiro, Produção e Direção: Hélio Brito.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *