Numa mesma semana, morre em Gurupi duas personagens que influenciaram a cultura nas noites dos gurupienses - Atitude Tocantins
Numa mesma semana, morre em Gurupi duas personagens que influenciaram a cultura nas noites dos gurupienses
Cidades Cultura Destaques Gurupi (TO) Notícias

Numa mesma semana, morre em Gurupi duas personagens que influenciaram a cultura nas noites dos gurupienses

“Quando o Toninho assumiu o Guru eu continuei com ele com a banda Som da Terra, juntamente com o Zé Américo e Ademarzinho. Também tocavam na Casa o João Bolo e Dorivã que na época estava começando”, comenta o músico Chiquinho Chokolate ao relembrar a transição de Hamilton do Guru para Toninho do Guru que na década de 90 teve participação na construção da carreira da dupla Bruno e Marrone. Os dois faleceram na semana passada em circunstâncias diferentes.

por Wesley Silas

O gaúcho Antônio Laidy Carlott, 82 anos, conhecido como Sr. Toninho do Guru, Gaúcho ou Gringo e Hamilton Pereira de Oliveira, conhecido como Hamilton do Guru, Hamilton da Garagem ou Amilton do Chalezinho, incentivaram músicos como Chico Chokolate, Zé Américo e João Bolo e se tornaram personagens marcantes na sociedade gurupiense na de 1980 até início dos anos 90. Toninho do Guru faleceu no dia 24 de agosto decorrente a um infarto e Hamilton do Guru no dia 27 depois de sofrer um AVC e ter complicações respiratória com suspeita da Covid-19.

Sr. Toninho do Guru

“Eu cheguei em Gurupi no ano de 1980 trazido pelo Zé Américo e já acompanhava pela TV Anhanguera as grandes serestas que aconteciam no Guru Lanche. Nesta época eu morava em Paraíso do Tocantins e por fim o nosso saudoso Zé Américo me trouxe para Gurupi em definitivo para tocar no Guru Lanches que era o glamour da cidade e ficava ali ao lado do Cine Umuarama e o proprietário já era o Hamilton após de ter comprado a Casa do Joaquim. Perdi um grande amigo de muitos anos de amizade e convivência. Foi uma pessoa que investiu muito na questão do entretenimento e música ao vivo em Gurupi”, relata Chiquinho Chokolate.

O músico e jornalista Chico Chokolate presenciou a transferência do Guru de Hamilton para Toninho. Ao Portal Atitude, ele contou como se deu sua participação na negociação.

“Quase todas as noites o Hamilton me levava numa churrascaria que tinha no Posto Di Gregório, onde era o antigo Posto Cometa. Em uma delas, ele me apresentou o senhor o Toninho Gaúcho. Tem uma história engraçada quando ele estava com o negócio da venda do Guru consolidado para o Toninho e o gringo falou que para tocar a Casa, este neguinho tinha que vir no negócio e o Hamilton falou: É seu”, lembra.

O Guru influenciou muitas vidas como a do Renato do Espetinho Mutuquinha e Elias Tupaciguara que relata um pouco da história da casa e dos seus amigos Toninho e Hamilton.

“Por muitos anos dois amigos que muitos fizeram e contribuíram com as noites de Gurupi proporcionando muitas alegrias com músicos e músicas de qualidade aonde Bruno e Marrone teve o palco inicial de sua carreira e também foi contratado muitas Bandas Boas como Som da terra, Albatroz, Ciclone, Marcantes, Hippes Cordas e Metais, Som livre e muitos outros. Se for enumerar todos vai tomar muito tempo. Gostaria também de lembrar que no Guru foi o início belos romance que se tornaram casais que hoje são grandes famílias de Gurupi fica aqui uma SAUDADE com BOAS LEMBRANÇAS”, relata Elias Tupaciguara.

O delegado aposentado, Goiany Araújo de Abreu, lembra como se dava as hospedagem de artista famosos hoje que iniciaram suas carreiras tocando no Guru na casa do seu tio, Roseno Barbosa Araújo, na Avenida Maranhão ao lado da casa da família Furlan.

“Devemos mencionar o local, onde Bruno e Marrone, Leandro e Leonardo, Zezé de Camargo e Luciano e outros ficavam hospedados que era no fundo do quintal de meu tio Rozeno e as vezes pagavam as diárias e outras não, pois ainda existem no dito quintal os barracões que eram alugados para os hoje famosos e citados”, lembra Goiany

Hamilton do Guru

Hamilton do Guru casou em 1985 com Maristela Felipe Oliveira, conhecida como Estela Vanessa e no ano de 1995 o casal mudou para Palmas, mas sempre mantendo suas raízes em Gurupi.

“Hamilton do Guru chegou em Gurupi em 1980 quando comprou o Guru Lanche de Joaquim do Guru e no final do ano de 1984 vendeu o Guru para Toninho do Guru para montar a casa noturna Chalezinho e empreendeu até o ano de 1989, quando se tornou empresário no ramo de compra e revenda de automóveis em Gurupi onde criou seus filhos”, lembra a viúva Vanessa.

Segundo Vanessa, seu esposo Hamilton do Guru faleceu em Palmas às 0hs45min. do dia 27 de agosto e foi sepultado no dia seguinte às 11 horas.

“O Hamilton faleceu decorrente de uma pneumonia que ele teve após um AVC, mas temos suspeitas que ele teve Covid-19 também por ele ter sido testado positivo na UPA e depois negativo no HGP. O pulmão dele estava bastante comprometido e teve falência múltipla dos órgãos”, disse.  “Ele deixou 06 filhos sendo eles o Jefferson, Luciana, Hemerson, Rodrigo, Hamilton e Uenis Oliveira; 17 netos, 03 bisnetos e uma mulher cheia de amor”, disse Vanessa.

“Nunca deixamos de visitar Gurupi sempre mantivemos nossas raízes que sempre foram as melhores ao lado de amigos como o gaúcho do Guru, Gerson Martins, Dorival do Fim de Tarde, o Mansinho, o Cisão, Noronha, finado Tio Ivo que tinha um boteco com a Tia Neide no Superjatão, que foram nossos melhores amigos”, lembra a viúva.

Ela relembra o seu esposo como um dos grandes incentivadores dos músicos locais e teve relacionamento de pai com alguns deles, a exemplo de Zé Américo, padrinho de um dos filhos de Hamilton.

“O Zé Américo encontrou no Hamilton um abrigo e um pai, o João Bolo foi um guerreiro junto com eles na época do Guru, assim como o Chiquinho Chokolate, o Chargos do Albatroz foram grandes amigos, assim como o Elias Tupaciguara e o Gordo da Tuba. O Hamilton deixou muita alegria para os tocantinenses, principalmente para os gurupienses onde vários casais se conheceram no Guru, se encontram casados até hoje e já encontramos várias pessoas que nos disseram que foi ali que começaram a felicidade”, relata.

Surgimento do Guru

Jonas Barros lembra do início do Guru no final da década de 1970, quando a casa era administrada por Joaquim do Guru. Ele cita que a Casa que posteriormente foi administrada por Hamilton e em seguida por Toninho do Gurupi tinha três ambientes, sendo uma lanchonete, um restaurante que a noite se transformavam na casa noturna mais badalada da cidade com shows ao vivo.

“Era um lugar frequentado por toda sociedade. A intenção de Joaquim do Guru foi de atender o grande movimento da implantação e funcionamento do projeto Rio Formoso e com isso a juventude gurupiense ganhou um espaço para curtir a  noite. Guru recebeu visita de vários artistas brasileiros, que de passagem, aproveitavam tanto do restaurante como do espaço aberto com som ao vivo e flertar com a juventude gurupiense que sempre foi a mais bonita da região norte do Brasil, principalmente, no período de férias em que se encontravam no Guru jovens espalhados pelo país que retornavam para suas casas”, lembra Barros.

Chegada do Sertanejo

Na década de 90 o Guru entrou na moda sertaneja com passagem de duplas que hoje fazem sucessos no país, uma delas foi Bruno & Marrone. Em setembro de 2018 a dupla se apresentou no quadro Panela Velha é que Faz Música Boa apresentado por Fábio Porchat e Paulo Vieira e falou sobre as dificuldades que tiveram no início de carreira quanto tocaram no Bar Guru em Gurupi que depois passou a ser chamado Zero Grau.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.