MPE obtém decisão que obriga Estado ampliar efetivo da PM em Gurupi - Atitude Tocantins
MPE obtém decisão que obriga Estado ampliar efetivo da PM em Gurupi
Destaques Estado

MPE obtém decisão que obriga Estado ampliar efetivo da PM em Gurupi

MPE obtém decisão que obriga Estado ampliar efetivo da PM em Gurupi
Avalie esse post

Uma sentença judicial proferida em Ação Civil Pública do Ministério Público Estadual (MPE) obriga o Estado do Tocantins a estruturar a Polícia Militar em Gurupi, no que se refere à ampliação do efetivo e à disponibilização de viaturas. Segundo a decisão, o poder público tem prazo de 180 dias para lotar 48 policiais no 4º Batalhão da Polícia Militar e 30 dias para disponibilizar duas viaturas em perfeito estado à unidade.

Por Flávio Herculano

Tanto o efetivo adicional quanto os veículos devem ser destinados exclusivamente às atividades de policiamento ostensivo em Gurupi.

A sentença confirma determinações que constam em liminar proferida em março de 2016. No processo judicial, não foi juntada nenhuma prova de que a liminar tenha sido cumprida.

Na sentença, o Estado fica obrigado também a apresentar lista com os nomes de todos os policiais militares cedidos para outros poderes públicos, para autoridades ou para outros estados brasileiros, que se encontram desempenhando funções burocráticas. Caso o concurso público da PM em andamento não seja concluído, este efetivo deve ser devolvido aos quartéis da PM.

Em caso de descumprimento dos termos da sentença, o Estado do Tocantins terá de pagar multa diária de R$ 2 mil, limitada a até R$ 1 milhão.

A Ação Civil Pública que aponta falta de condições mínimas da Polícia Militar para resguardar a ordem pública em Gurupi foi proposta pelo Promotor de Justiça Roberto Freitas Garcia no ano de 2015. Na peça judicial, é apontado que Gurupi conta com um policial para cada grupo de 362 habitantes, enquanto a média no Estado é de um policial para cada 299 habitantes. Para equilibrar o policiamento, seria necessário o adicional de 48 policiais.

A estatística revela também que o efetivo de Gurupi apresenta um deficit aproximado de 80% do previsto na Lei Estadual nº 1.676/06.

Em razão do deficit, o Comando da Polícia Militar havia imposto aos policiais uma jornada de trabalho elevada, com escalas de plantão de 12 x 24; 24 x 24 e 24 x 48 horas, quando o legalmente admitido é o plantão com a jornada de 24 x 72 horas.

O Promotor de Justiça também juntou no processo dados que demonstram aumento significativo dos crimes de natureza patrimonial em Gurupi, especialmente roubos, que são praticados mediante violência ou grave ameaça contra a vítima. 

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós