Junho violeta: Médica oftalmologista explica sobre a prevenção do ceratocone - Atitude Tocantins
Junho violeta: Médica oftalmologista explica sobre a prevenção do ceratocone
Destaques Dicas Mulher e Sociedade Notícias Saúde

Junho violeta: Médica oftalmologista explica sobre a prevenção do ceratocone

Junho violeta: Médica oftalmologista explica sobre a prevenção do ceratocone
Avalie esse post

Com o tema “Esfregar e coçar os olhos prejudica a visão”, o junho violeta tem o intuito de alertar a população sobre o ceratocone. Um hábito tão comum: esfregar ou coçar os olhos, pode ter consequências sérias. “Embora normalmente o Ceratocone não leva á cegueira, pode levar a uma acentuada perda da visão”, explica a médica oftalmologista, Susan Yano.

por Redação

A Campanha Violet June, é promovida mundialmente pela Keratoconus Awareness Campaign. No Brasil, a Campanha tem o apoio da Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SBO), do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e de outras entidades oftalmológicas.

O ceratocone é a distrofia mais comum da córnea e afeta uma em cada duas mil pessoas, segundo dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia. A doença costuma surgir entre os 13 a 18 anos e tende a se estabilizar aos 35.

O ceratocone, é uma doença da córnea, na qual a córne aumenta sua curvatura de forma irregular e assume formato de cone. Como explica a médica oftalmologista, Susan Yano.

“Esta alteração causa astigmatismo com irregularidade, o que leva à distorção das imagens e determina limitação para a eficiência das lentes esfero-cilíndricas de óculos. Embora normalmente o Ceratocone não leva á cegueira, pode levar a uma acentuada perda da visão. Inicia-se geralmente na adolescência, afeta um pouco mais as mulheres do que os homens, e evolui geralmente até os 30/35 anos, quando ocorre uma estabilização natural”, comenta a especialista.

 Para evitar a doença, a recomendação é nunca coçar os olhos, principalmente se há casos de familiares com a doença.

O diagnóstico de Ceratocone pode ser devastador para o paciente e sua família por falta de orientação. É fundamental consultar um oftalmologista regularmente, pois somente ele poderá identificar a doença mesmo antes do paciente perceber os sintomas.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós