Judiciário comemora 194 paternidades reconhecidas no Tocantins - Atitude Tocantins
Judiciário comemora 194 paternidades reconhecidas no Tocantins
Destaques Notícias Polícia

Judiciário comemora 194 paternidades reconhecidas no Tocantins

Judiciário comemora 194 paternidades reconhecidas no Tocantins
Avalie esse post

Iniciativa do Poder Judiciário do Tocantins, o projeto “Meu Pai Meu Presente” já intermediou o reconhecimento de 194 paternidades no estado. Criado em 2013, surgiu a partir de um projeto semelhante desenvolvido pelo Conselho Nacional de Justiça e vem contribuindo para promover o reencontro entre pais e filhos. Atualmente 713 processos sobre paternidade estão em andamento na Justiça tocantinense.

por Redação

Francisco Costa Luz faz parte desta estatística. Ele conta que, em 2002, conheceu uma moça e teve um breve relacionamento. Doze anos depois o auxiliar de serviços gerais foi notificado pela Justiça. Resultado: ele tinha uma filha que não conhecia. “Perdi o contato com a mãe dela e nunca soube ela havia engravidado. Desde que descobri tenho arcado com todas as responsabilidades paternas e também corrido atrás do tempo perdido no que se refere à convivência”, afirma.

A história de Francisco e da filha, hoje com 14 anos, é um dos 194 casos de crianças, adolescentes e adultos que procuraram a Justiça por não terem a paternidade estabelecida e tiveram seu problema resolvido por meio do projeto “Meu Pai Meu Presente”. A iniciativa do Poder Judiciário estimula o reconhecimento espontâneo de paternidade.

Projeto

A iniciativa funciona assim: Qualquer pessoa sem a paternidade estabelecida pode procurar o Cartório de Registro Civil e dar início ao processo de reconhecimento espontâneo. Quando o suposto pai é indicado, as informações são encaminhadas ao juiz, que dá início a uma ação investigatória. “Fazemos uma audiência com a presença da mãe e do suposto pai. Nesse momento é questionado se ele reconhece o filho espontaneamente”, explica a juíza Flávia Afini Bovo, coordenadora do projeto em Palmas.

Há também casos em que o suposto pai solicita o exame de DNA. O procedimento é realizado e, em seguida, mediante resultado positivo, o reconhecimento é feito e o termo é expedido imediatamente. “A grande importância do reconhecimento de paternidade, seja para uma criança ou adulto, não reside apenas em ter o nome do pai na certidão de nascimento, mas sim nos laços afetivos que se originam a partir deste reconhecimento”, ressalta a magistrada.

Quer conferir a matéria em vídeo? Acesse o link e acompanhe a reportagem que foi ao ar no programa Repórter Justiça do dia 9/8.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *