Gurupiese coleciona conteúdos da transição da história da música analógica para digital - Atitude Tocantins
Gurupiese coleciona conteúdos da transição da história da música analógica para digital
Cidades Cultura Destaques Educação Gurupi (TO) Notícias

Gurupiese coleciona conteúdos da transição da história da música analógica para digital

Gurupiese coleciona conteúdos da transição da história da música analógica para digital
Avalie esse post

Mozair Figueiredo, 58 anos, coleciona mais de três mil discos de vinil que retratam em suas capas estilos musicais, comportamentos,  tendências de modas como cortes de cabelos e roupas usadas nas últimas quatro décadas. “Naquela época os caras compravam um vinil e chagavam nas casas deles colocava na vitrola e levantavam mais de 10 vezes para repetir as músicas, enquanto hoje tudo é no controle remoto e o povo está preguiçoso e fica só zapeando”, lembra Mozair.

por Wesley Silas


Em época de aplicativos que oferecem aos usuários sugerirem músicas ou criarem e compartilharem suas playlists de acordo com seus gostos, no centro de Gurupi há um cantinho analógico, onde recompensa dar uma parada na correria do mundo contemporâneo e na luta contra o tempo, para perceber grande riqueza cultural. São exemplares de vitrolas, discos de vinil, fitas cassetes para evolução dos CDs, DVDs para o Pen drive capaz de armazenar a mesma ou até mesmo mais da quantidade de todo acervo dos três mil discos de vinil colecionado por Mozair Figueiredo.

“Comecei na Avenida Pará e depois comprei este ponto na Avenida Goiás onde permaneço até hoje. Naquele tempo a fita cassete e o vinil era sucesso que guardo estas relíquias até hoje. Ás vezes chego a vender alguma fita cassete”, disse Mozair Figueiredo.

Ele lembra que quando começou havia em seu comércio cabines com fone de ouvido para que as pessoas ouvissem os discos de vinil e escolhessem as músicas para gravar em fitas cassetes, depois ele acompanhou a transição para o CD que, praticamente, encontra-se no final da vida e agora o lucro maior da sua loja estar em gravar pen drive.

“Os discos de vinil são relíquias e eu guardo para que as pessoas possam ver e recordar. Inclusive tem aparecido estudantes para ver os trajes que os cantores usavam e toda história para fazer igual (em festa à Fantasia). Isso é história e eu tenho mais de 3 mil vinil aqui e em minha casa”, disse.

A história de Mozair Figueiredo acontece num momento em que muitas pessoas apostam num nicho mercado com objetos palpáveis e reais para conservar o velho analógico. Para Mozair algumas pessoas têm procurado têm comparecido no seu comércio, apenas para relembrar a história.

“Tem gente que vem de longe e ver o Silveira e Silveirinha, o Zeca Camargo quando começou e era Zazá e Zezé. As pessoas bate fotos e ver os cantores e o pessoal das antigas gostam muito”, disse.

Nos 40 anos de história na comercialização de vinil, ele lembra algumas tendências musicais e comportamentais dos gurupineses que se dividem em suas prateleiras desde o rock dos anos 80, MPB e músicas sertanejas.

“As duplas que mais venderam foram Milionário e José Rico, Tião Carreiro que toda vida são sucesso. Tem também o Roberto Carlos nos finais de anos. Naquela época os caras compravam um vinil e chagavam nas casas deles colocava na vitrola e levantavam mais de 10 vezes para repetir as músicas, enquanto hoje tudo é no controle remoto e o povo está preguiçoso e fica só zapeando” disse.

Deixe Sua Opinião Ela é Importante Para Nós

Tags

Sobre o Autor

Atitude Tocantins

Ao desenvolvermos as seções de Agronegócio, Cidades, Opinião, Social, Cultura, Educação e Esporte, Meio Ambiente e Política procuramos atender a necessidade do público em ser informado sobre os acontecimentos locais, regionais ou próximos à comunidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *